9 de dezembro de 2012

Review - A Cruzada das Crianças

Esse post contém SPOILERS sobre a saga citada! 



Não consegui achar uma correlação do título desse especial lançado no Brasil pela Panini com a Cruzada das Crianças ocorrida historicamente no século XIII (d.C), exceto o fato de que um grupo de crianças (ou “homens jovens”) saem em uma cruzada de um país a outro em busca de um objetivo comum a eles. Porém, no entanto, todavia, Allan Heinberg, o escritor da história, deve ter tido um bom motivo para batizar "sua criança" com esse nome, que a princípio, em minha total ignorância acerca do fato histórico ocorrido na França e em Jerusalém, eu achava ridículo. Vivendo e aprendendo.

Não tenho lido tantas HQs quanto gostaria nos últimos meses, mas posso afirmar com toda certeza que A Cruzada das Crianças é a melhor história da Marvel que já li recentemente, e me remeteu e muito aquelas velhas sagas que eram lançadas nos encadernados de mais de 100 páginas que a Editora Abril publicava ainda em formatinho pelo Superalmanaque Marvel ou em alguma edição especial lá nos idos anos 90. 

Pra quem não sabe, Allan Heinberg é o escritor dos Jovens Vingadores desde seus primórdios, e foi ele quem praticamente criou todo o universo dos herdeiros dos Maiores Heróis da Terra, incluindo aí a relação homossexual entre Wiccano e Hulkling, a versão jovem de Kang o Conquistador (O Rapaz de Ferro), a inclusão de uma Gaviã Arqueira no universo Marvel e de Estatura, a filha do falecido Homem Formiga/Scott Lang. A Cruzada das Crianças marca o ápice da superequipe de adolescentes e sua derrocada em um texto brilhantemente escrito por Heinberg e fenomenalmente desenhado por Jim Cheung, artista que também está no título desde o começo.      
O primeiro visual dos Jovens Vingadores pouco depois de "A Queda"
Mostrando que fez a lição de casa direitinho, que pesquisou todos os fatos mais recentes do universo da Casa das Ideias nos últimos anos e fazendo ótimas referências a fatos mais antigos, como as Guerras Secretas (aquela do Beyonder), Heinberg une todos os principais conflitos dos heróis em um argumento muito plausível, levando o leitor e os próprios heróis a se perguntarem: “Afinal, de quem foi mesmo a culpa do Dia M?”.
A história começa a todo vapor no momento em que os Jovens Vingadores se vêem obrigados a intervir quando um grupo de terroristas racistas ameaça detonar uma bomba nuclear no centro da cidade. Quando um dos líderes da facção intitulada Os Filhos da Serpente (que prega a pureza racial e moral) ameaça a vida de Hulkling, seu namorado Wiccano perde a cabeça e usa seus poderes de origem mística para deter os terroristas, o que gera um conflito entre os garotos e os Vingadores, que chegam ao local tentando botar ordem na casa.


Wiccano aparentemente não se lembra que usou seus poderes para colocar os racistas em coma, o que leva o Capitão América, O Homem de Ferro e Miss Marvel a questionarem se o garoto tem controle sobre seus dons e se ele não pode vir a se tornar uma ameaça, assim como aconteceu com a Feiticeira Escarlate num passado não muito distante. 
Entra em jogo a grande questão da HQ, que é o papel que os Vingadores assumiram depois que sua parceira Wanda Maximoff enlouqueceu, assassinando amigos de equipe e pouco depois criando um mundo onde os mutantes dominavam (a Dinastia M). O que eles devem fazer com aqueles que perdem o controle de seus dons?


Decidido a avaliar os poderes de Wiccano a fim de evitar os erros do passado, o Capitão América convence William a se dirigir até a sede dos Vingadores junto de Teddy, o Hulkling, situação que os demais Jovens Vingadores discordam, fazendo com que eles ajudem os amigos a escaparem daquilo que eles acreditam ser uma prisão temporária. Nessa hora surge o Mestre do Magnetismo Magneto, que lhes propõe uma aliança para que juntos eles procurem por sua filha Wanda, que está desaparecida desde o desenrolar dos fatos da Dinastia M. Apelando para o possível parentesco que tem com Wiccano e Célere (Thomas, o irmão gêmeo de Wiccano), Magneto se revela muito mais compreensivo do que antes, quando era um terrorista mutante, e tenta persuadir os garotos a ajudá-lo a achar Wanda, expiando assim seus pecados do passado. Os Vingadores, claro, discordam dessa aliança, e tem início um conflito entre eles e o Mestre do Magnetismo. 
Magneto X Vingadores

Mais do que trazer à baila questões raciais e o preconceito contra “desiguais”, com o qual podemos fazer um claro paralelo com nossa realidade, A Cruzada das Crianças tenta unir várias pontas soltas que ficaram pelo meio do caminho enquanto a Marvel nos enfiava goela abaixo mega-saga atrás de mega-saga, terminando de certo modo, o trabalho iniciado por Brian Michael Bendis (um dos melhores escritores de HQ da atualidade) lá em Vingadores: A Queda

Pontos Positivos

Devido às diversas sagas que a Marvel já criou desde Dinastia M e toda a bagunça cronológica que acaba acontecendo no meio do caminho, deve ter sido bem difícil para Allan Heinberg sustentar sua história em A Cruzada das Crianças e alinhá-la com o restante do Universo 616, o que só comprova a competência desse autor que antes de escrever quadrinhos, era roteirista de seriados de TV como Party Of Five, The O.C e Sexy and The City.
Homossexual assumido, ele criou a história entre Wiccano e Hulkling  após a sugestão de Tom Brevoort (Hulkling havia sido pensado como um Kree/Skrull transmutado em um corpo de mulher), o que deu o sinal verde para que houvesse então, dois personagens gays em uma equipe de destaque dentro da Marvel. 

Seja como for, embora incomode um pouco a maneira forçada como o escritor parece nos querer mostrar a todo momento que os dois são gays e que são namorados em seus diálogos (é só perceber quantas vezes durante a história eles se referem um ao outro como “meu namorado” e não simplesmente como Billy e Teddy), a orientação sexual dos personagens não interfere no enredo, e em nenhum momento é o fio condutor dele, servindo apenas como mais um aspecto isolado da discussão principal, assim como a condição dos mutantes, que por muito tempo foi usada como metáfora para a própria homossexualidade e a questão do preconceito nas HQs dos X-Men.
Todos os personagens que não fazem parte do círculo dos Jovens Vingadores, a meu ver, estão perfeitamente bem caracterizados, até mesmo aqueles que recentemente mudaram de postura e que hoje mais parecem reflexos distorcidos do que já o foram no passado (Como Magneto, Ciclope e Magnum) estão muito bem inseridos no contexto, defendendo seus pontos de vista.
Do lado dos Vingadores, é a visão radical de Wolverine que cria os melhores diálogos da saga, colocando em conflito aquilo que a equipe acredita ser justiça. Nem mesmo o Capitão América ou o Homem de Ferro sabem o que fazer quando encontrarem a Feiticeira Escarlate, e ambos assumem uma posição covarde quanto a isso, preferindo que ela se mantenha oculta para não terem que lidar com o fato de que se a encontrarem, terão que sacrificá-la pelos crimes que ela cometeu. 

Para Wolverine, a sentença é simples: Wanda tem que morrer!
Para Wolverine, a questão é mais simples. Wanda usou seus poderes para criar uma utopia mutante e depois, arrependida, simplesmente apagou milhares de mutantes do mundo com três palavras “Chega de Mutantes” e por isso ela deve morrer. O mutante canadense sai sozinho em busca do rastro dos Jovens Vingadores e de Magneto (que no meio do caminho ainda encontram com o Mercúrio) decidido a dar cabo não só de Wanda como também de seu filho Wiccano, cujos poderes podem vir a ganhar a mesma extensão que os da mãe.
Enquanto isso, tentando evitar algo ainda pior, Os Vingadores usam a assinatura energética do Magnum (que só está vivo porque Wanda o “conjurou” de volta após sua morte) para rastrear Wanda que está na Latvéria, sob os cuidados do Dr. Destino!

Cara! Heinberg conseguiu juntar na mesma história os Vingadores (minha equipe de heróis favorita), os X-Men (minha segunda equipe de heróis favorita), a Feiticeira Escarlate (uma das minhas heroínas preferidas) e ainda colocou no caldeirão o Magneto e o Dr. Destino (que saem na mão!), simplesmente dois dos vilões mais mothafuckers do Universo Marvel e dos quais eu sou fã. E não, a história não vira um samba do afro-descendente doido como o viraria nas mãos de roteiristas menos gabaritados. 
Em busca da Feiticeira Escarlate cada um deles com seus próprios objetivos (Wolverine para matá-la, os Jovens Vingadores para lhe contar a verdade sobre seus filhos, Os Vingadores para ajudá-la, O Magneto para se redimir de seus erros e os X-Men para levá-la a justiça), os heróis e vilões entram em conflito na Latvéria, onde Wanda estivera desde o fim da Dinastia M, sem memória e noiva do Dr. Destino.
A arte de Jim Cheung, esse desenhista inglês de descendência oriental e que também é co-criador dos Young Avengers (por criar os concepts de uniformes e características físicas dos personagens) é outro ponto elogiável da saga A Cruzada das Crianças

A arte de Jim Cheung
Quando ele surgiu lá na edição (nacional) de nº 25 dos Vingadores, confesso que não fui muito com a cara de seu traço, e que aqueles rostos iguais que ele fazia para todos os personagens (fossem eles velhos, jovens... todo mundo tinha a mesma cara!) me incomodavam de certa forma. Aquela sua capacidade de desenhar todo mundo com cara de moleque me remeteu a outro artista que tinha essa mesma característica, Tom Grummett, que não coincidentemente ficou famoso por desenhar o Superboy (o havaiano de jaquetinha) e o Robin/Tim Drake na DC.

Sem máscara todo mundo é igual!
Seja como for, Cheung possui uma qualidade ímpar que é a de desenhar cenas gigantescas e com diversos personagens (ponto também para o colorista das duas edições Justin Ponsor e seu trabalho fantástico), dando uma vivacidade única a história, nos fazendo mergulhar de cabeça no enredo. Sua arte compõe perfeitamente a narrativa de Heinberg, e exatamente por isso, as duas edições de A Cruzada das Crianças valem e muito a pena de serem adquiridas. 

Como costumo dizer aqui, não sou um grande fã de scans e meio que tenho uma resistência em ler conteúdo de quadrinhos através da tela do computador, por isso, ver a arte de Cheung em páginas impressas foi um deleite.

Uma das grandiosas cenas de batalha de Cheung
Só fica a dica... Ô Cheung! Tenta dar uma mudada nos rostos dos personagens. Às vezes até é difícil identificá-los quando estão sem máscara!

Não posso deixar de mencionar também, o bom humor de algumas falas da HQ, quebrando por vezes o clima sério da história. Homem Aranha (pra variar) e Homem de Ferro estão afiados nas piadas e comentários sarcásticos! O Aranha e a ironia do SHAZAM e Tony Stark pronto a "ejetar" o Mercúrio do jato dos Vingadores é hilário!

"Vamos segui-los."
"Como? A menos que você seja o tipo de Marvel que pode convocar relâmpagos mágicos--"
Pontos Negativos

Até agora só fiquei aqui tecendo elogios à narrativa de Allan Heinberg, aos desenhos do Jim Cheung e piriri e pororó. Mas A Cruzada das Crianças só tem coisas boas? A história é mesmo essa Coca-Cola toda?
Não, caro padawan, nem tudo são flores.
Reitero tudo que já disse aqui, mas a HQ possui soluções (em especial na segunda edição) que estão no melhor padrão Joe Quesada de qualidade, dando desculpas esfarrapadas para responder aquilo que todo mundo achava que sabia, como pra pergunta que fiz no início do post: “Afinal, de quem foi mesmo a culpa do Dia M?”.


Descobrir que afinal, a Feiticeira Escarlate esteve o tempo todo sendo dominada por uma força maior (a tal da Força Vital) que a tomou quando ela quis resgatar a alma de seus dois filhos, aparentemente mortos, com a ajuda do Dr. Destino, e que NENHUMA das ações que ela cometera até então podia ser de sua total responsabilidade, foi um tanto quanto clichê. Sem falar que, onde foi que já vimos isso antes?
Jovem heroína é tomada por uma entidade cujo poder é sem precedentes e que comete crimes influenciada por esse poder. 


Essa é a Saga da Fênix!
E outra, Wanda alega que pediu a ajuda de Destino porque sua magia é mais poderosa do que a do Dr. Estranho.
Como assim?? O cara era o Mago Supremo da Terra até então!
É a segunda vez que um herói em desespero apela pra um vilão porque o Dr. Estranho não pode ajudá-lo, não é mesmo Homem Aranha??


No meio do caminho, usando uma infundada viagem temporal comandada pelo Rapaz de Ferro (que volta a nossa linha temporal do nada, por que o Wiccano precisava dele!) os Jovens Vingadores tentam mudar a história, retornando ao ponto específico do tempo onde o Valete de Copas aparece putrefato diante da Mansão dos Vingadores, pronto a explodir a porra toda, evento que deu início a Queda dos Vingadores.

Como resultado, os Jovens Vingadores acabam viajando de volta no tempo com o confuso Scott Lang a tira-colo, salvando-o da morte certa, e é nesse momento que os poderes da Feiticeira Escarlate retornam, junto com sua memória. 
Não. Sério. Pra que trazer o Homem de Formiga de volta à vida e dessa maneira clichezenta?
Segundo uma entrevista dada pelo próprio Heinberg ao site Comic Book Movie a volta de Lang “Parecia como uma consequência lógica da motivação de Cassie para querer encontrar a Feiticeira Escarlate, em primeiro lugar”.

O Valete de Copas reencontra a Feiticeira Escarlate
Então tá.
Com a volta de Lang, e do Gavião Arqueiro (que pra quem não lembra também ressuscitou num passe de mágica) e com o ressurgimento do Visão clássico, uma vez que sua versão jovem foi destruída pelo Rapaz de Ferro ao fim da Cruzada, todos os pecados de Wanda acabam sendo amenizados, já que sua tentativa de restaurar os poderes dos mutantes que ela retirou no Dia M falha por culpa do Patriota
Assim, Wanda está perdoada e pode voltar a fazer parte dos Vingadores a hora que quiser.


Outro fato que me desagradou (além do Dr. Destino em posse da Força Vital se tornar um gigante!!) foi a morte de Cassie Lang, que é justificada pelo mesmo Allan Heinberg como a consequência natural dos atos dos Jovens Vingadores. Cassie acaba pagando por um erro que todos eles cometeram, e tanto ela quanto o jovem Visão (que possuía padrões mentais do Rapaz de Ferro) acabam perecendo de maneira “irreversível”, criando mais um final clichê como tantos das mega-sagas da Marvel.
Com isso, o roteiro de Heinberg que vinha sendo construído de maneira brilhante acabou sendo maculado no final, quando o roteirista acabou sendo forçado a apelar para a mesma solução que ele procurava consertar: A morte de heróis. 

Sem falar que já está batido esse final do vilão que em posse de poderes incomensuráveis se torna um gigante para que todos os heróis o enfrentem de uma vez. Sério. Já vi isso umas quinze vezes nos últimos dez anos. Sem falar que PORQUE EM NOME DE ODIN ESSES ESCRITORES GOSTAM TANTO DE GIGANTES?? PERSONAGENS GIGANTES NÃO SÃO INTERESSANTES!

Não pensem você, no entanto, que esses detalhes finais desabonam a HQ. A meu ver, A Cruzada das Crianças continua proporcionando uma ótima leitura e um ótimo exercício para a memória (apesar do fim clichê), já que nos força a lembrar de detalhes obscuros mencionados em edições e sagas anteriores.
A conclusão a que Célere chega de que tanto Vingadores quanto X-Men só sabem agir com base nos próprios colhões sem medir as consequências e a definição de Magnum de que os Vingadores não são mais uma família de heróis e sim um exército nos levam a refletir afinal se estamos certos em torcer para as duas equipes.
O breve conflito entre Vingadores e X-Men pelo destino de Wanda Maximoff, no entanto, esquenta os tamborins para a vindoura saga Avengers X X-Men, que já está sendo concluída lá nos States. E aí? De que lado você estará?

Todo mundo pra trás que o pau vai comer!
A Cruzada das Crianças nos proporciona aquele tipo de leitura viciante, do qual você não larga enquanto não vê a última figura e o último balão de fala. Devido sua narrativa empolgante cheia de ação, e do texto inteligente de Heinberg, que não descaracteriza nenhum dos vários personagens com as quais lida na HQ, A Cruzada coloca os devidos pingos nos “is” que faltavam na cronologia Marvel (pelo menos no que tange Vingadores/X-Men) sem deixar de criar novas situações que ligam essas pontas soltas. Uma pena que tivemos que esperar mais de três meses para ver a conclusão da Saga, que por aqui, saiu em duas edições especiais devido o atraso que a edição americana também sofreu por lá até ficar pronta. 
A HQ é mais do que recomendada para quem gosta dos personagens criados por Allan Heinberg e mais do que obrigatória para quem acompanhou toda a saga da Feiticeira Escarlate desde a Queda. 

Nota: 9,0.

NAMASTE.

3 comentários:

  1. O Arranca Toco Malasiano17 de dezembro de 2012 16:17

    Sei não, já faz tempo que parei de ler hqs, atualmente sou completamnente cetico sobre hqs serem boas. Sempre fui fã, ainda resta um pouquinho (muito pouco mesmo)de fã de hqs em mim, porem não gasto mais dinheiro com hqs e deixei de acompanhar faz tempo, não obstante eu ainda leia alguma coisa sobre hqs por curiosidade. Coisas como: era tudo um sonho, a saga do irmão gemeo malvado, o morre/volta quase tão estupido quanto o de dragon ball z, mais pontas soltas que uma travessa de espaguete, heroi contra heroi o tempo todo, cliche encima de cliche, falta de logica, vou virar um gigante, heroi macaco, o astro da vez pode tudo, hoje, o hulk bate no universo inteiro só com um peido, amanha, perde para paulinho hemofilico, o tetraplegico camarada. VSF Marvel. Acho que foi john byrne que disse "a dc é patetica e a marvel é má"; como discordo disso?

    ResponderExcluir
  2. O Correto é Orientação sexual e não Opção sexual.

    ResponderExcluir

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...